"Quem me dera encontrar o verso puro, O verso altivo e forte, estranho e duro, Que dissesse a chorar isto que sinto!"
Florbela Espanca

7 de abril de 2011

ESCRAVA ANASTÁCIA - MITO OU HISTÓRIA?

ANÁSTACIA - ESCRAVA (mito ou história?)


Em 9 de abril de 1740, chegou na cidade do Rio de Janeiro o navio negreiro Madalena, vindo da África com carregamento de 112 negros Bantos, originários do Congo, para serem vendidos como escravos no Brasil .
Entre estes, estava Delminda, mãe de Anastácia, que era jovem formosa e muito atraente pelos seus encantos pessoais, e que, ainda no cais do porto, foi arrematada por mil réis. Indefesa, ela acabou sendo violentada, ficando grávida de um homem branco, motivo pelo qual Anastácia, sua filha, nasceu com olhos azuis. Antes do nascimento de Anastácia, Delminda teria vivido, algum tempo, no estado da Bahia, onde ajudou a muitos escravos, fugitivos da escravidão. Anastácia nasceu em Pompeu, em 12 de maio, no centro-oeste mineiro. Por ser muito bonita, terminou sendo, também, perseguida, torturada e violentada pelo filho de um feitor. Apesar de tudo, ela continuou a sustentar sua costumeira altivez e dignidade e, como não permitisse que lhe tocassem, acabou por provocar o ódio de alguns brancos, que resolveram castigá-la ainda mais, colocando-lhe no rosto uma máscara de ferro, que só era retirada na hora de se alimentar. As mulheres e as filhas dos senhores de escravos foram as que mais incentivaram a manutenção de tal máscara por que morriam de inveja e de ciúmes da beleza da negra e, assim, seu suplício durou vários anos. Muito doente, ela foi levada para o Rio de Janeiro onde veio a falecer sendo que seus restos mortais foram sepultados na Igreja do Rosário, a qual foi destruída por um incêndio, que queimou também os poucos documento que poderiam testemunhar de uma vez por toda se Anastácia foi uma personagem histórica ou um mito.
“A escrava Santa”= Nos meios que militam as lideranças negras, femininas ou masculinas, fala-se muito sobre quem foi e como teria sido a vida e a história da “Escrava Anastácia”, que muitas comunidades religiosas afro-brasileiras, particularmente, as ligadas à religião católica apostólica romana, gostariam de propor à sua Santidade, o Papa, para que fosse beatificada ou santificada, dentro dos preceitos e dos ritos canônicos que regem este histórico e delicadíssimo processo.
Pelo pouco que se sabe desta grande mártir negra, que foi uma das inúmeras vítimas do regime de escravidão, no Brasil, em virtude da escassez de dados disponíveis a seu respeito, . Entre esta centena de negros capturados em sua terra natal, vinha, também, toda uma família real, de “Galanga”, que era liderada por um negro, que mais tarde se tornaria famoso, conhecido pelo nome de “Chico-Rei”, em razão de sua ousada atuação no circuito aurífero da região que tinha por centro a Cidade de Ouro Preto, em Minas Gerais, “Delmira”, Mãe de “Anastácia”,

3 comentários:

Wagner Nestor de Jesu Nestor disse...

A Existencia de Anastacia e caso polemico e este texto tem algumas questoes em duvida. Atribuiu os olhos de Anastacia ao estupro de um branco, mas nao cita as fontes para confetir os dados exposto.Por favor cite as fontes.

Wagner Nestor de Jesu Nestor disse...

A Existencia de Anastacia e caso polemico e este texto tem algumas questoes em duvida. Atribuiu os olhos de Anastacia ao estupro de um branco, mas nao cita as fontes para confetir os dados exposto.Por favor cite as fontes.

Alice Caroline Machado disse...

Queria saber quando Escrava Anastácia morreu?Tem dia e horário exato?